Para contribuir com esse blog, enviar notícias de sua diocese e sugestões entre em contato através do e-mail: pastoraldaaidsnorte1@gmail.com

domingo, 28 de outubro de 2018

Documento Final - XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE PREVENÇÃO AO HIV

Nós agentes de pastoral, reunidos em Porto Alegre, de 19 a 21 de outubro de 2018, no XVI Seminário nacional de Prevenção ao HIV para discutir sobre o que cabe ao agente de pastoral na estratégia tratamento como prevenção, representando a Rede da Pastoral da Aids presente em 21 estados da federação, desejamos reafirmar nosso compromisso com a vida como direito humano; com a democracia como forma de organização social e a Constituição Federal como garantia de seu funcionamento; com o Sistema Único de Saúde como sistema que garante a possibilidade de vida com qualidade para todos os cidadãos e cidadãs.
Animados pela fé em Jesus Cristo, fundamentados nos valores do evangelho, com espiritualidade libertadora e encarnada, em comunhão com o Papa Francisco, almejamos uma sociedade justa, igualitária e inclusiva, fundada sobre o respeito, a tolerância, a humanização, a equidade, sem preconceito e estigma.
Enquanto Rede de Agentes da Pastoral da Aids nos comprometemos a:
Informar e orientar a população sobre a epidemia da aids - formas de transmissão e de prevenção do HIV – e sobre o acesso à Rede de Saúde, principalmente nos eventos de grande concentração de pessoas (Romarias, feiras, festividades etc), bem como nas ações comunitárias, nas campanhas da vigília pelos mortos de Aids e do dia mundial de luta contra a aids – 1º de dezembro;
Continuar trabalhando no incentivo ao diagnóstico precoce, lançando mão de todas as oportunidades e meios disponíveis (teste rápido, convencional, fluído oral, auto-teste), respeitando os princípios de espontaneidade e sigilo, para que a população conheça sua sorologia e acesse o tratamento, evitando doenças oportunistas e mortes prematuras;
Contribuir na difusão da importância do tratamento como prevenção, pois beneficia a pessoa, em primeiro lugar, e repercute na diminuição da propagação do HIV;
Incentivar a organização de grupos de adesão, como espaços de acolhimento, escuta e suporte, que facilitam o acesso a serviços e profissionais de saúde qualificados para a realização do tratamento, que possibilita vida com qualidade;
Propagar por todos os meios disponíveis que com os avanços da ciência e da tecnologia, com o acesso facilitado aos medicamentos que temos disponíveis, com boa adesão ao tratamento e com condições sociais favoráveis, mesmo tendo sido infectado por um vírus que ainda não tem cura, é possível viver com qualidade e dignidade e vencer a epidemia do HIV;
Colaborar, enquanto Rede da Pastoral da Aids da Igreja Católica, na construção de respostas à epidemia, em conjunto com outros atores sociais, com os órgãos governamentais nas diferentes esferas, com outras religiões, movimentos, organizações e universidades, pois a complexidade da epidemia exige respostas multissetoriais.

Porto Alegre, 21 de outubro de 2018.
Pastoral da Aids - CNBB

PASTORAL DA AIDS PROMOVE XVI SEMINÁRIO DE PREVENÇÃO AO HIV

Com o Lema: “O cuidado pode ir sempre além”, a Pastoral da Aids quer apresentar o tratamento como prevenção ao vírus. 

Nos dias 19, 20 e 21 de outubro de 2018, na Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana – Rua Tomás Edison, 212 Bairro Santo Antônio - Porto Alegre/RS, a Pastoral da Aids da CNBB, realizou seu XVI Seminário Nacional de Prevenção.
Interessada em discutir a temática em torno do vírus HIV, a Pastoral da Aids da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), com apoio do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, HIV/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, e Agentes Voluntários de 21 Estados da , coordenadores diocesanos ou regionais que estão atuando em seus municípios no campo da informação e orientação da população para a prevenção ao HIV/Aids.
O Seminário analisou, com auxílio de profissionais qualificados, a realidade atual da epidemia do HIV, suas tendências, desafios e buscou estabelecer metas, propostas de ações que servirão para seu enfrentamento, sobretudo no campo do “tratamento como prevenção”. Também qualificou as discussões à respeito do combate ao estigma e à discriminação, uma das ações prioritárias da Pastoral da Aids. Além disso, o evento incentivou a participação dos agentes da Pastoral da Aids a atuarem em parceria com os programas locais de IST/Aids, com as comissões, fóruns e outras pastorais em vista de garantir que o direito da população à saúde, sobretudo as mais vulneráveis, seja garantido.
O evento contou com a assessoria de palestrantes, como o Dr. Juan Carlos Raxach, assessor de projetos da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (ABIA); Maria Vitória Ramos Gonçalves, representante do Ministério da Saúde; Ru
Convidamos este importante veículo de comunicação para divulgação e cobertura da CERIMÔNIA DE ABERTURA e do lançamento da CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE LUTA CONTRA A AIDS, que acontecerá no dia 19 de outubro de 2018, às 14h, no auditório Dom Helder Câmara, da Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana – Rua Tomás Edison, 212, Bairro Santo Antônio, em Porto Alegre/RS. Com participação dos Bispos Dom Eugene Rixen e Dom Ricardo Hoepers, representantes do Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual de Saúde, além dos movimentos de luta contra a Aids.
bens Duda, assessor da Coordenação Municipal de DST/Aids da Prefeitura de São Paulo e de Dom Eugenio Rixen.

Texto Baseado no Release de apresentação do "XVI Seminário Nacional de Prevenção ao HIV"
Fotos Secretária Nacional da Pastral da Aids CNBB
















 

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

CARTA DE PORTO ALEGRE 2018

Participantes do VIII Seminário Nacional de Incidência Política, 03 à 05 de Agosto de 2018 - Porto Alegre/RS

Nós, agentes da Pastoral da Aids, vindos de 20 estados do Brasil, participantes do VIII Seminário Nacional de Incidência Política, realizado de 03 a 05 de agosto de 2018, em Porto Alegre/RS, preocupados com os rumos que está tomando nosso país, debruçamo-nos, com ajuda de pesquisadores, intelectuais e militantes, sobre o atual momento pelo qual passa nossa sociedade e queremos compartilhar com nossos irmãos e irmãs de fé, com os membros de outras comunidades religiosas, com os participantes dos movimentos sociais e com todos os que defendem uma sociedade justa, igualitária e inclusiva, nossas preocupações e compromissos, conscientes de que o tempo presente é tempo de resistência.
Em nossos debates, percebemos que o capitalismo passa por um processo de reestruturação mundial, cujas características são a concentração da riqueza, precarização das relações de trabalho e redução do Estado, que aprofundam a desigualdade social e política e ampliam a exclusão de grande parte da população do acesso aos direitos e às condições nimas para uma vida digna. Na mesma lógica, no Brasil, as elites econômicas com seus aliados políticos, reorganizam a economia e o Estado para garantir seus privilégios e reproduzir o capital de forma concentrada, destruindo estratégias que apontavam para garantia de renda mínima e alguma perspectiva de diminuição das desigualdades. Conquistas históricas que beneficiam as populações secularmente excluídas estão em franco retrocesso.
Diante deste quadro, nos comprometemos a:
- continuar aprofundando nossa participação nos espaços de controle social das políticas públicas, buscando ampliar o conhecimento e as parcerias para a manutenção das conquistas e impedir o retrocesso;
- participar do processo de construção da XVI Conferência Nacional de Saúde de 2019, em âmbito municipal, estadual e federal, defendendo o SUS com todos os seus princípios e componentes, impedindo que os interesses econômicos se sobreponham ao direito humano à saúde e evitando o desmonte do SUS;
- participar ativamente das eleições 2018, evitando abstenção ou voto em branco ou nulo, fazendo bom uso deste instrumento democrático que é a eleição; debater e conhecer as propostas dos partidos e dos candidatos, votando e apoiando aqueles que se comprometem com a defesa da justiça social e divulgando meios que possam ajudar na seleção de partidos e candidatos (ex.: www.politicos.org.br);
- reforçar a participação em espaços eclesiais, em comunhão com nossos pastores e com outras pastorais, efetivando uma igreja em saída, como propõe o Papa Francisco, colaborando na efetivação da VI Semana Social, no Grito dos Excluídos e na Campanha da Fraternidade que, em 2019, debaterá o tema “Fraternidade e Políticas Públicas, aproveitando a experiência acumulada nestes anos de caminhada da Pastoral da Aids.
Queremos também nos dirigir ao Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, do Ministério da Saúde, responsável pelo enfrentamento da epidemia em nosso país, reassumindo nosso trabalho em parceria e colaboração e insistindo que:
- é necessário o engajamento do Departamento para garantir as conquistas e evitar retrocessos;
- é importante o protagonismo das pessoas que vivem e convivem com HIV/Aids na implementação das estratégias de prevenção;
- as determinantes sociais em saúde devem ser consideradas como elementos indispensáveis na elaboração das políticas de enfrentamento da aids;
- a resposta ao HIV deve também considerar as demais IST por sua relevância epidemiológica;
- cabe ao Departamento vigiar para que os elementos indispensáveis para a prevenção e tratamento 
(insumos, medicamentos, exames, profissionais) sejam acessíveis a todos que deles necessitam;
- sejam retomadas campanhas amplas de prevenção que englobem a importância do cuidado, da superação do estigma e a defesa dos direitos humanos como elementos constitutivos do enfrentamento da aids em nosso país.
Por fim, como pessoas de fé, queremos expressar nossa confiança de que “haveremos de ver qualquer dia chegando a vitória, o povo na rua fazendo a história, crianças sorrindo em cada nação” (Zé Vicente). Com este verso do poeta, manifestamos nosso compromisso em manter acesa a chama e espalhar essa esperança para todos aqueles e aquelas que desejam uma sociedade justa e democrática. 
 
Porto Alegre, 05 de agosto de 2018.

sábado, 28 de julho de 2018

Pastoral da Aids Nacional realizaá o VIII Seminário de Incidência Política.

Nos dias 3 a 5 de agosto de 2018, acontece o VIII Seminário Nacional de Incidência Política, em Porto Alegre/RS. Este evento faz parte da formação continuada aos agentes da Pastoral da Aids de todo Brasil, promovido pela Casa Fonte Colombo, Centro de Promoção da Pessoa Soropositiva - HIV, coordenada pelos Freis Capuchinhos do RS, com o apoio do Ministério da Saúde.


Com o Tema: "Que país é este?" O seminário irá trazer a tona o atual cenário do país. Estamos atravessando uma grave crise. Para alguns o que está em curso no Brasil é um processo de retomada do Estado pelas elites, submissas ao capital internacional, que não suportam mais as políticas de interesse social que beneficiavam as populações historicamente excluídas ou as que poderiam colocar o Brasil em pé de igualdade com outros grandes países em campos estratégicos: petróleo, construção civil e tecnologia atômica. Para compreender o nosso papel político neste contexto, precisamos fazer um esforço para compreendê-lo de modo mais amplo. Desta compreensão se pode encetar uma atuação mais eficaz e encontrar estratégias para defender os interesses das populações marginalizadas.

Mais informações pelo e-mail secretaria@fontecolombo.org.br ou telefone 51-33466405.

domingo, 20 de maio de 2018

Pastoral da Aids de Manaus Celebra Vigília Pelos Mortos de Aids


A Pastoral da Aids da Arquidiocese de Manaus realizou neste último sábado 19 de maio de 2018, às 17:00 a Vigília Pelos Mortos de Aids, evento que marca as Ações pontuais da Pastoral em todo Brasil.
Com o tema “Tantas Vidas não podem se perder”, a Pastoral trouxe a memória daqueles e daquelas que foram vitimadas pela Aids. O celebrante Pe. Joaquim Hudson de Souza motivou os agentes e a comunidade a se manterem firmes nos propósitos da Prevenção, embora os desafios sejam muitos na contenção desta doença.
Com os símbolos apresentados, através do laço, da iluminação das velas e a integração do canto “Tantas Vidas Não Podem se perder”, levou a atenção dos presentes a contemplar todo este momento celebrativo.
Participaram desta celebração 20 Agentes da Pastoral, colaboradores da Casa de Amparo Frei Maio Monacelli e Grupo Dom Jackson que trabalham com assistência e Prevenção ao HIV na cidade de Manaus.
A Vigília Pelos Mortos da Aids sendo um acontecimento mundial, tem por tradição acontecer sempre que possível no Terceiro Domingo de maio, assim como também pode acontecer durante todo o mês dentro do calendário específico de cada Comunidade Paroquial.
Este evento celebrativo nos motiva para melhor compreensão do tema abordado, despertando a consciência da Prevenção em favor da Vida!

Texto e Fotos por Eduardo Soares 












 

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Vigília Pelos Mortos de Aids acontece neste Sábado 19 de Maio de 2018 em Manaus


No Brasil, este evento é também organizado pela Pastoral da Aids – CNBB denominado “Vigília pelos Mortos de Aids” que reafirma neste ano “tantas vidas não podem se perder” em várias celebrações litúrgicas e demais atos públicos espalhados pelas federações. Trata-se de em momento histórico para lembrar os amigos e familiares que perdemos e aumentar a conscientização sobre o HIV, transformando a saudade em atitudes de solidariedade e cuidado à vida, "Refletindo sobre nosso passado, cuidando do nosso futuro!".
Quando o Memorial da Luz de Velas contra a AIDS foi realizado pela primeira vez no ano 1983, ninguém poderia ter previsto a escala e o impacto da epidemia global de HIV que agora está em sua terceira década. Com milhões de vidas perdidas e cerca de 37 milhões de pessoas atualmente vivendo com o HIV e nos permanecemos profundamente desafiados por essa epidemia. Para alguns, o HIV tornou-se uma doença crônica manejável, mas para muitos o HIV é luta de vida diária que reivindica por tratamento e cuidados, alimentação adequada, moradia e renda, muitas vezes em face do estigma generalizado relacionado ao HIV, discriminação e discriminação.


É postura dos cristãos defender a vida, principalmente onde ela é mais ameaçada. E por isso, não podemos aceitar que tantas vidas se percam para a Pandemia da Aids. Com isso, seguindo os ensinamentos de Cristo, queremos fazer memória em busca da atualização do mistério salvífico, anunciar o Reino e denunciar os sinais de morte presentes em nossas diversas realidades sociais. E como sal da terra e luz do mundo, testemunhar “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos” (Lc 4,18) e “curar os doentes” (Mc 6,13).
Por ocasião do dia mundial de luta contra aids de 2016, o Papa Francisco fez um apelo:  “Milhões de pessoas convivem com esta doença e somente metade delas tem acesso a terapias. Convido a rezar por elas e por seus caros e a promover a solidariedade para que também os mais pobres possam beneficiar de diagnósticos e tratamentos adequados. Por fim, faço um apelo para todos adotem comportamentos responsáveis para prevenir ainda mais a difusão desta doença”.
A epidemia do HIV continua a revelar diversas formas de violência, como a injustiça e a exclusão em nossas sociedades. Mas há esperança enquanto abrirmos espaços para a solidariedade e resistência contínuas de todas as comunidades que carregam o peso dessa epidemia, incluindo homens gays, transgêneros, profissionais do sexo, pessoas que usam drogas, mulheres e meninas, jovens, adolescentes e crianças.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que desde o início da epidemia, em 1981, até os dias atuais, cerca de 35 milhões de pessoas morreram de aids. E segundo o Boletim Epidemiológico (BRASIL, 2017). Desde o início da epidemia de aids (1980) até 31 de dezembro de 2016, foram notificados no Brasil 316.088 óbitos tendo a HIV/aids como causa básica (CID10: B20 a B24). A maior proporção destes óbitos ocorreu na região Sudeste (59,6%), seguida das regiões Sul (17,6%), Nordeste (13,0%), Centro-Oeste (5,1%) e Norte (4,7%). Em 2016, a distribuição proporcional dos 12.366 óbitos foi: 42,4% no Sudeste, 21,3% no Nordeste, 19,6% no Sul, 10,2% no Norte e 6,5% no Centro-Oeste.
O Memorial internacional à luz de velas da aids nos lembra do tremendo impacto que o HIV e o movimento da aids tiveram em nossas vidas. O Memorial enfatiza a necessidade das pessoas que convivem, vivem e são afetadas pelas realidades do HIV unirem as mãos e refletirem sobre o passado e as vidas preciosas que foram perdidas. O Memorial também nos convoca a compartilhar nossas histórias de desafio, perseverança e triunfo para educar as gerações atuais e futuras sobre o que o movimento da aids alcançou nas últimas três décadas.      
Finalmente, o Memorial pede para trabalharmos juntos, agora mais do que nunca, para sustentar, fortalecer e revitalizar nossa resposta mundial ao HIV, olhando para frente e preparando nosso futuro livre do estigma e discriminação relacionados ao HIV e com acesso universal a toda a gama de direitos humanos, incluindo serviços de prevenção, tratamento e cuidados de qualidade para todos. E para que todos “tenham vida e vida em abundância” (Jo 10,10b).

                                                                            Texto adaptado e organizado por: Prof. Francisco José Corrêa de Araújo, OFS
 

FONTES:

ACIDIGITAL. Papa pede pra rezar pelos enfermos de aids. DISPONÍVEL EM: . Acesso: 09 de maio de 2018.

ATIVO SAÚDE. HIV e Aids no mundo. DISPONÍVEL EM: . Acesso: 09 de maio de 2018.

BÍBLIA SAGRADA. 40a Edição. São Paulo: Ave Maria, 1982.

BRASIL, Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. 2017. DISPONÍVEL EM: < http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2017/boletim-epidemiologico-hivaids-2017>. Acesso: 09 de maio de 2018.

CANDLE LIGTH MEMORIAL 2018. DISPONÍVEL EM: . Acesso: 09 de maio de 2018.

sábado, 12 de maio de 2018

Visita e Formação na Área Indígena Canauinim - Boa Vista/RR 05/05/18


A Pastoral da Aids do Regional Norte 1, realizou no último sábado 05 de maio uma visita e formação continuada na Comunidade Indígena Canauanim zona rural de Boa Vista Roraima. Estiveram presentes vários representantes da de várias comunidades que formam a Reserva de Serra da Lua, dentre elas de Malacaxeta, Campinho, Barro Vermelho e Canauanim.
Durante a Capacitação foram desenvolvidos diferentes temas e trabalhos, que visam desde a saúde dos povos tradicionais e também as formas como a medicina voltada para o controle do HIV se faz presente entre os indígenas. A visita deu ênfase ao serviço da Pastoral da Aids direcionado pelo Guia do Agente de Pastora.
Participaram deste evento pelo menos 38 colaboradores, entre líderes, jovens e adultos de origem Wapichana e Macuxi.
Também na manhã de domingo 06 de maio, representantes da pastoral de Boa Vista Área Urbana e Equipe de Coordenação Regional, reuniram-se para rever a caminhada da pastoral e organizar, planejar atividades de prevenção com os Migrantes Venezuelanos, na questão de saúde preventiva do HIV/Aids. E a satisfação da presença animadora do Bispo Diocesano Dom Mário Antônio da Silva.

Texto e fotos por Eduardo Soares